Katia Selinger | Brainstorm

Katia Selinger (Joy Model) | Brainstorm
F
otos: Danilo Sanchez
Styling: Eduardo Seemann
Make up: Raphael Guapiano
Direção de Arte: Patricia Veneziano (WBORN)

brainstorm

10593039_10152658262633119_6505393857224408421_n

1911902_10152692112863119_3203914804648971178_n
10704069_10152658263678119_9171279017472526889_n
1390486_10152692114958119_9050543727571538390_n

Anúncios

Moda Camp


Eu jurei de pé junto que não iria escrever mais sobre tendências, looks do dia e afins, mas estão todos falando da moda CAMP que vou ter que fazer um parágrafo.

Modeletes, a tendência pode ficar linda em Anna Dello Russo, maravilhosa na passarela da Prada e nas campanhas do Marc Jacobs, mas acredito que essa onda “coloridíssima” não chega aqui em solos tropicais. Vou explicar!

Nós brasileiros adoramos uma cor. Seja nos cabelos, nas unhas, blusas e vestidos, abusamos das cores fortes, isso é verdade. Mas a moda CAMP, que surgiu primeiro na passarela do Marc Jacobs, depois na Prada e caiu em algumas marcas daqui (Neon/Alessa), beira o famoso “brega”. Imagine você vestida de casaco estampado de jujubas, calças azul bic, sapatos rosa pink com um arranjo de maçãs douradas? Vão te chamar de Falcão ou pedir uma palinha do Calypso.

O CAMP lembra muito a montação das Drags daqui de São Paulo, que particulamente neste contexto eu adoro, e é dotado de muita cor, muitos objetos, maxi-colares, maxi-bolsas, sapatos de plataforma, tudo bem divertido.

As pessoas estão falando que a moda CAMP lembra o final dos anos 70. Não acho! Na década, pessoas usavam roupas coloridas (esmeralda,rosa,conhaque,camelo) com sobreposições de cor e texturas, mas não caiam no caricato, estavam deslumbrantes. Não tinha essa apologia macabra, meio “acabei de desfilar para a Dior Haute-Couture”.

Como não quero dizer “nunca”, acho que vai ser difícil de entrar na moda do dia-a-dia. Prefiro muito mais a tendência “anos 70 com glamour” feito por Frida Giannini na Gucci. Isso sim!

Moda não se discute, aparece…
beijos

Série Figurinistas: Patrícia Field


Olá Modeletes…
Vou continuar a saga figurinistas! Deleitem-se

“Flowers? For spring? groundbreaking!” Quem não se lembra das frases mirabolantes de Miranda Priestly em “O Diabo Veste Prada”? Além da maravilhosa direção de arte, há quem fale que o figurino desta obra fashionista foi um dos melhores vistos em 10 anos. Quem assinou o figurino? Patricia Field.

Para quem não sabe, Patrícia Field é figurinista, nasceu e morou desde sua infância no Queens, Nova York, Estados Unidos. Formou-se em Sociologia e na época da faculdade, em pleno anos 70, abriu uma boutique junto com uma amiga, que tinha como cliente, Vivienne Westwood.

Patrícia sempre esteve a frente do seu tempo e nunca deixou cair na mesmice. Lançou leggings coloridas com o seu nome estampado e acessórios punks na medida certa. Por sempre lançar moda entre os amigos, uma amiga intima da ruiva indicou a figurinista para o estrelato nas telonas.

Em 1995 conheceu a atriz Sarah Jessica Parker no backstage do filme Casos e Casamentos, onde a loira contracenava com Antônio Bandeiras. Sarah viu o talento de Patrícia no figurino, logo levou-a para Sex And The City, em 2000. Boom!!!!! o que Carrie Bradshaw usava, era copiado nas ruas…a marca, o casaco, a bolsa, tudo era igual nas ruas. Patrícia Field assinou o figurino da série completa e completou com mais dois filmes das 4 amigas fashionistas.

Patrícia trabalhou para filmes e séries de sucesso como: “O Diabo Veste Prada”, “Delírios de Consumo de Becky Bloom”, “Ugly Betty” e assinou figurinos de cantoras como Beyoncé, Madonna, Anne Hathaway etc etc etc.

Adoro o trabalho de Patrícia. Com maestria, a figurinista consegue conduzir a moda da estação, com o enredo do filme e finaliza com o gosto pessoal da atriz. Em ” O Diabo Veste Prada”, Meryl Streep não queria mostrar suas pernas, o que a ruiva fez? Jogou casacos de vison, meias calças e saias tulipa.

Patricia I love you!